Parlamentares em Israel discutem preparação para o acesso ao Terceiro Templo

Um grupo de parlamentares israelenses realizou uma discussão no Knesset na terça-feira (13) sobre a substituição da rampa de acesso ao Monte do Templo, sugerindo construir um acesso permanente para o futuro projeto do Terceiro Templo.

A ponte Mughrabi é um acesso de madeira que conecta a praça do Muro das Lamentações com o Monte do Templo em Jerusalém. Este é o único acesso para visitantes não-muçulmanos ao complexo da Esplanada das Mesquitas.

“Não é apenas uma questão de engenharia”, disse o parlamentar Simcha Rotman, do Partido Sionista Religioso. “[Como pode] a entrada para o Monte do Templo ser uma estrutura temporária? Voltamos para nossa terra. Precisamos pensar em como as pessoas irão ao Monte do Templo assim que o Templo for reconstruído.”

O acesso de visitantes não-muçulmanos ao Monte do Templo era feito por uma rampa de terra. Até que, em 2004, um terremoto provocou a queda parcial de um muro de 800 anos, que segurava parte da colina que levava ao Portão Mughrabi, provocando o desmoronamento da rampa.

A atual ponte de madeira foi construída em 2007 como uma medida temporária. Israel tentou iniciar a construção de uma rampa permanente, mas foi acusado pelo Waqf — consórcio islâmico que administra os edifícios muçulmanos no Monte do Templo — de tentar derrubar o Domo da Rocha.

Como resultado, a ponte ainda está de pé, com a adição de uma grande estrutura de viga de metal em 2013, para tornar a rampa mais segura. Em 2014, Israel iniciou a construção de uma segunda ponte para o Portão Mughrabi, como um suplemento mais seguro, mas as obras foram interrompidas por vontade do governo da Jordânia.

“Não há constrangimento maior do que o fato de precisarmos da aprovação de um país estrangeiro para substituir a ponte Mughrabi”, disse Bentzi Gopshtein, diretor do grupo judaico Lehava.

Mais acesso aos judeus e o Terceiro Templo

Ao longo da discussão, os parlamentares e ativistas ressaltaram a conexão judaica com o Monte do Templo e seu desejo de construir o Terceiro Templo. Também houve apelos para tornar o Monte do Templo mais acessível para os judeus. 

Atualmente, a entrada da Ponte Mughrabi funciona das 7h às 11h e fecha às sextas e sábados, quando é aberta apenas para muçulmanos. Judeus e cristãos também são proibidos de orar no Monte do Templo.

“A situação está muito longe do que deveria ser”, reclamou Itamar Ben-Gvir, do Partido Sionista Religioso, que liderou a discussão. “Não estamos satisfeitos com o que temos. [Ter acesso ao Monte do Templo] é uma boa situação, mas pode melhorar.”

O plano de construir uma rampa permanente surge no contexto de aumentar a presença judaica no Monte do Templo. No próximo domingo, 18 de julho, é celebrado o jejum de Tisha Be’av, o dia em que o Primeiro e o Segundo Templos foram destruídos. 

Gopshtein acredita que esta deveria ser uma oportunidade para a ação judaica no Monte do Templo. “Com a graça do céu, voltamos para nossa terra e estamos sentados no Knesset”, disse ele. “Não podemos chorar mais. Se você decidir chorar quando consegue agir, você está pecando.”

De acordo com a parlamentar Miri Regev, do partido Likud, o status quo é perigoso. Ela disse na segunda-feira (12) que a ponte tem potencial para desabar no setor feminino do Muro das Lamentações. “O sangue das vítimas estará nas mãos de todos aqueles que não agiram e permaneceram calados”, disse. 

Os parlamentares também notaram a importância da questão após o desastre do Monte Meron em abril, no qual 45 pessoas morreram pisoteadas e mais de 150 foram feridas, em uma passarela escorregadia.

Fonte: Guiame / Com informações Jerusalem Post / Foto: Divulgação / Internet (16.07.21)

Pela primeira vez, judeus e cristãos se unem em Israel para ler as profecias de Isaías

Israelenses participaram pela primeira vez, na quarta-feira (14), de uma maratona anual de leitura da Bíblia, uma iniciativa de cristãos que começou nos Estados Unidos em 2018.

Cada participante leu um capítulo do livro de Isaías, que profetizou a destruição da Babilônia e o retorno do povo judeu a Israel.

A maratona começou às 7h14 do horário local — correspondendo ao texto de Isaías 7:14, que diz: “Por isso o Senhor mesmo lhes dará um sinal: a virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamará Emanuel.”

A Fundação Genesis 123, que trabalha para construir pontes entre cristãos e judeus, foi quem providenciou a participação de Israel na maratona de leitura bíblica. No entanto, para o líder da fundação, Jonathan Feldstein, a importância da participação de Israel “não pode ser exagerada”.

“Ler a Bíblia é especialmente adequado ao país sobre o qual foi escrita. Ler Isaías em Israel, como judeus e cristãos juntos, é ainda mais importante, pois ele profetizou sobre o povo judeu em sua terra, que é mencionado em 2 Crônicas 7:14, o catalisador e a fonte para essa iniciativa”, disse Feldstein. “É como se estivéssemos acendendo a tocha olímpica no local onde o fogo foi criado.”

Em Israel, o livro de Isaías foi lido em hebraico, inglês, árabe, russo, amárico, francês, espanhol e português, entre outras línguas.

A Maratona Bíblica Nacional foi fundada no estado americano de Iowa por Dianne Bentley em 2018. Os 99 condados de Iowa tomaram parte na iniciativa, dividindo os mais de 1.000 capítulos da Bíblia em 14 de julho às 7h14, separando cerca de 12 capítulos por condado.

“Começamos a ler no noroeste de Iowa com Gênesis e terminamos no sudeste de Iowa com o Apocalipse”, disse Bentley. “Em 1 hora e meia a 2 horas, a palavra de Deus foi proclamada em todo o estado de Iowa nos 99 gramados dos tribunais do condado de Iowa.”

Como Feldstein explicou, a base para a iniciativa é 2 Crônicas 7:14: “Se o meu povo, que é chamado pelo meu nome, se humilhar e orar e buscar a Minha face e se desviar de seus caminhos iníquos, então ouvirei do céu , e perdoará seus pecados e curará sua terra. ”

A terra referida no versículo da Bíblia é a Terra de Israel.

Em 2019, Bentley decidiu expandir a iniciativa de Iowa para 14 outras nações. Em 2020, cerca de 57 nações participaram da maratona. Este ano, 72 nações, incluindo Israel, estão participando.

Bentley disse que a iniciativa é compartilhada principalmente de boca a boca: “É um esforço da base”.

Judeus e cristãos juntos

Para Feldstein, ver cristãos e judeus lendo as Escrituras juntos tem um significado de peso. “Embora haja uma tendência histórica crescente e sem precedentes de judeus e cristãos se conectando e se associando no apoio a Israel, combate ao antissemitismo e outras questões sociais de interesse comum, não é todo dia que judeus e cristãos se unem em oração, ou algo como tão básico quanto ler a Bíblia juntos”.

Ele acrescentou que a participação é ainda mais importante em 2021, diante de pesquisas recentes que têm apontado uma tendência crescente entre jovens judeus e cristãos que têm se afastado da religião e do apoio ao Estado de Israel.

“O fato de judeus e cristãos estarem se unindo nesta comunhão bíblica é o estabelecimento de um precedente, estabelecendo um modelo para os jovens se reconectarem”, disse Feldstein. “A restauração desses valores, mesmo por meio de algo tão terreno como ler a Bíblia, pode ser uma resposta redentora a muitas orações.”

Fonte: Guiame / Com informações Jerusalem Post / Foto: Divulgação/Internet (15.07.21)

Homem é curado milagrosamente e leva enfermeira a Cristo

Na madrugada de 3 de maio de 2019, Maurice Hillard foi ao banheiro e repentinamente caiu no chão. Ao vê-lo incapaz de falar ou se mover, sua esposa começou a orar.

“Orei para que ele fosse completamente curado, do topo da cabeça às solas dos pés. E que ele não tivesse efeitos colaterais nem nada”, disse a esposa de Maurice ao 700 Club Interactive.

Maurice foi levado às pressas para o hospital mais próximo de sua casa, na Virgínia (EUA). Quando chegou ao pronto-socorro, ele estava desorientado, com a fala arrastada e dores no peito. 

Com a suspeita de ter sofrido um AVC, Maurice foi levado para uma tomografia computadorizada. Enquanto o técnico de enfermagem injetava um corante de imagem em seu cérebro, Maurice sentiu algo mudar.

“Comecei a sentir que estava voltando”, conta Maurice. Ele sabia que não foi por causa do procedimento médico. “Eu apenas disse: ‘O Senhor fez isso!’ O que quer que tenha acontecido com meu corpo, estou curado!”

Os exames foram inconclusivos e Maurice continuou em observação no hospital. Enquanto isso, ele não parava de contar às enfermeiras e a todos os profissionais sobre seu milagre.

“Tudo o que pude dizer era como o Deus que eu sirvo é bom e como Ele me curaria”, lembra.

Levando uma enfermeira a Cristo

No dia seguinte, a ressonância magnética confirmou que Maurice havia sofrido um derrame no lado esquerdo do cérebro. Isso só confirmou a Maurício seu testemunho de cura.

“Quando eu peguei o resultado, eu fiquei tão feliz. Fiquei tão grato por Deus ter me curado. Eu até mesmo disse ao médico que Deus tinha me curado”, disse Maurice.

Enquanto o paciente pregava as boas novas no hospital, a enfermeira Ashley Basinger começou a compartilhar sua dor — ela confessou que estava com raiva de Deus após ter perdido seu pai.

“Eu não entendia porque meu pai foi tirado de mim”, lembra a enfermeira. Foi quando ela ouviu Maurice dizer: “Ashley, seu pai ainda está vivo, ele ainda está em você. Eu disse quanto amor Deus tinha por ela”.

Depois de meses de mágoa e ressentimento, Ashley sentiu como se tudo tivesse sido “lavado”. “Esse homem foi um anjo enviado para me fazer saber que Deus está por toda a parte e que tudo aconteceu como deveria acontecer”, disse ela.

Naquela tarde, Maurice recebeu alta, sem ter nenhuma sequela. A única marca daquele derrame foi o encontro de uma enfermeira com Deus.

“Eu o ajudei, mas ele mudou minha vida para sempre”, diz Ashley sobre Maurice. “Foi preciso passar por isso para que Deus recebesse a glória. Tudo valeu a pena”, disse o paciente. 

Fonte: Guiame / Com informações 700 Club Interactive / Foto: YouTube/700 Club Interactive (16.07.2021)

Edifício do período do Segundo Templo é encontrado no Muro das Lamentações

Um grandioso edifício de 2.000 anos, que remonta ao período do Segundo Templo, foi descoberto por arqueólogos ao lado do Muro das Lamentações em Jerusalém, conforme anúncio da Autoridade de Antiguidades de Israel nesta quinta-feira (8).

O prédio, que poderia ter sido usado como câmara municipal, foi encontrado a centenas de metros de sua contraparte moderna, durante as escavações sob a Cidade Velha de Jerusalém.

“Este é, sem dúvida, um dos edifícios públicos mais magníficos do período do Segundo Templo que já foi descoberto fora das paredes do Monte do Templo em Jerusalém”, disse a diretora da escavação, Dra. Shlomit Weksler-Bdolach.

A grande estrutura em breve será aberta ao público como parte do tour pelos túneis do Muro das Lamentações, que foi reformado para criar diferentes trajetos e experiências a turistas em Israel.

Construída por volta de 20 d.C, a estrutura da era romana ficava fora da rua principal que levava ao Monte do Templo. Era usada como um triclínio — uma sala de jantar formal romana — para membros notáveis ??da sociedade em seu caminho para o culto no templo. 

Parte do edifício foi revelada pela primeira vez durante o trabalho realizado pelo arqueólogo britânico Charles Warren, no século 19. 

O edifício passou por uma série de mudanças estruturais em seus 50 anos de uso antes da destruição do Segundo Templo em 70 d.C., disse Weksler-Bdolach ao site israelense Times of Israel.

O que os arqueólogos sabem é que, durante seus 50 anos de ocupação, o prédio foi separado em três espaços diferentes e um espaço para ritual de banhos de purificação, ou micvê, foi adicionado pouco antes da destruição do templo de Jerusalém.

Duas cidades vivas em paralelo

Para chegar ao tour dos túneis do Muro das Lamentações, os visitantes descem debaixo da Jerusalém moderna e voltam no tempo, entrando em uma cidade subterrânea antiga bem preservada.

“Em Jerusalém, há várias cidades debaixo da cidade, especialmente sob a Cidade Velha”, disse Weksler-Bdolach.

De acordo com Shachar Puni, arquiteto do Departamento de Conservação da Autoridade de Antiguidades de Israel, uma das características interessantes e únicas da Jerusalém antiga é que muitas seções inteiras foram deixadas completamente intactas sob o solo.

Ao contrário das visitas a sítios arqueológicos “ao ar livre” em Israel, como Cesaréia ou Megido, no mundo subterrâneo de Jerusalém, o turista tem uma experiência diferente.

“Para o visitante, a sensação é que um mundo inteiro não foi destruído”, disse Puni. “Há uma sensação de todo um mundo subterrâneo que está em paralelo com o ‘mundo vivo’ acima do solo”.

A nova seção do tour dos túneis deve ser aberta no mês hebraico de Elul, um pouco antes de Rosh Hashaná — que varia entre 9 de agosto e 6 de setembro de 2021.

Fonte: Guiame / Com informações Times Of Israel / Foto: Marc Israel Sellem/Jerusalem Post (08.07.21)

Perseguidores tonaram-se cristãos na Índia

Preetha* e o marido Navin* odiavam os cristãos do vilarejo onde moram na Índia. Eles não conseguiam entender por que muitos amigos e vizinho deixavam a fé hindu para seguir Jesus, uma religião estrangeira. Por isso eram hostis com qualquer seguidor de Cristo que cruzasse o caminho deles.

A família indiana tinha uma batalha: encontrar a cura para a doença de pele da filha Mirai*. Eles fizeram todos os tratamentos propostos pelo sacerdote hindu, mas nada resolveu o problema. Foi quando procuraram um pastor e, após a oração, a filha de Preetha e Navin foi curada. Eles decidiram seguir a Jesus e hoje são líderes cristãos que  enfrentam a perseguição.

A Índia ocupa o 10º lugar na Lista Mundial de Perseguição 2021 e os cristãos de origem hindu são os mais hostilizados. Eles enfrentam agressões verbais, físicas e até morte porque são considerados traidores do nacionalismo hindu e culpados pelas tragédias que acontecem no país. Além disso, são boicotados na sociedade e marginalizados.

*Nomes alterados por segurança.

Fonte: Portas Abertas (08.07.21)

Isaac Herzog toma posse como presidente de Israel e faz juramento sobre Bíblia do pai

O 11º presidente de Israel, Isaac Herzog, de 60 anos, foi formalmente empossado na quarta-feira (07) no Knesset, parlamento israelense, em substituição a Reuven Rivlin.

Herzog fez o juramento sobre a mesma Bíblia que seu pai, o sexto presidente de Israel, Chaim Herzog. A Bíblia pertenceu à avó do novo presidente, Sarah, em Glasgow. Seu marido, o futuro rabino-chefe de Israel, Yitzhak Halevi Herzog, o levou para a Europa para resgatar crianças judias de orfanatos e mosteiros após o Holocausto.

Ao aceitar a presidência, Herzog prometeu “diminuir o tom, reduzir as chamas e acalmar as coisas” em Israel, apesar das muitas divisões no Estado judeu democrático.

“Vou me preparar para concluir a tarefa todas as manhãs para ser o presidente para todos”, disse Herzog.

Herzog observou os dois anos e meio de tempestuosas campanhas eleitorais que se seguiram, no que ele chamou de uma crise política sem precedentes no Estado de Israel.

“Foi uma crise que, como nos ensina a história dos tempos modernos, conseguiu no passado destruir nações muito mais antigas e estabelecidas do que o jovem Estado de Israel, que tem apenas 73 anos”, disse.

Herzog disse que “embarcaria em uma jornada entre as linhas das fissuras e rupturas da sociedade israelense” e “almejaria ser um unificador em meio às diferenças, a ponte entre as lágrimas”.

Discurso final

Em seu discurso final ao Knesset, Rivlin começou a chorar e advertiu Herzog de que nada em Israel pode ser dado como certo. Herzog agradeceu a Rivlin por seus anos de serviço em seu discurso.

“Você soube como tornar seu amor por este país contagiante para seus filhos e filhas”, disse Herzog a Rivlin. “Você representou Israel com grande respeito na família das nações, inclusive durante o último mês de seu mandato. Você identificou dolorosamente os pontos de ruptura na sociedade israelense. Você colocou um espelho diante de nós, mesmo que seu reflexo nem sempre fosse agradável para todos nós.”

Primeiro-ministro

Herzog desejou sucesso ao novo governo do primeiro-ministro Naftali Bennett.

“Existem muitos argumentos complexos em Israel que se concentram em elementos internos”, disse ele. “Esta é a beleza da democracia israelense. Estou confiante de que todo este corpo deseja que você tenha sucesso. Que seja o sucesso de todo o Estado de Israel.”

Mas Herzog também fez questão de desejar felicidades à oposição, sob o líder do Likud, Benjamin Netanyahu, contra quem concorreu sem sucesso a primeiro-ministro.

“Não há democracia sem oposição”, disse Herzog. “A realidade política me chamou várias vezes para ocupar o cargo que ocupa agora. Desta vez, ele caiu sobre seus ombros. Estou confiante de que você cumprirá seu serviço ao povo da oposição de maneira estadista, responsável e relevante.”

O evento contou com a presença de uma longa lista de dignitários, incluindo a presidente da Suprema Corte, Esther Hayut, e o ex-primeiro-ministro Ehud Olmert.

Mudanças no Oriente Médio

Rivlin, que falou antes de Herzog, parabenizou o novo presidente.

“Excelência o 11º presidente, meu bom amigo Isaac, estou colocando em sua custódia este querido povo”, disse ele.

O ex-presidente também mencionou a importância da assimilação de Israel na região e a necessidade de integrar os árabes na sociedade do país.

“Estamos vivendo em uma era de mudanças no Oriente Médio … onde o Estado de Israel está enraizado. Devemos fortalecer esse processo aprofundando nossa familiaridade e compreensão do idioma, da história e da cultura que nos rodeia”, disse ele.

“Acredito que se pudermos viver aqui juntos, judeus e árabes, encontraremos o caminho para a convivência entre o rio Jordão e o mar, e em toda a região”, acrescentou, antes de se encaminhar para a residência oficial, onde aguardaria o novo presidente.

Depois de examinar uma guarda de honra das FDI e se curvar à bandeira nacional, Herzog seguiu pela Mea She’arim Plaza, onde Rivlin o esperava para recebê-lo na entrada do salão principal.

Eles tiveram uma reunião privada com conselheiros seniores, antes de voltarem ao salão principal da recepção para fazer declarações oficiais.


Fonte: Guiame/ Com informações do JPost – Foto: Captura de tela

Cristãos usam grupo de WhatsApp para impactar a Índia na pandemia: `Isso é ser Igreja´

Na Índia, os voluntários cristãos não esperaram pelas igrejas quando o Covid-19 chegou. A rede Love Your Neighbour [Ame o seu vizinho] oferece lições para crentes em outros países que também sofrem com a segunda onda da pandemia.

Os voluntários cristãos indianos usaram o WhatsApp para ajudar migrantes, distribuindo alimentos durante o período pandêmico. Centenas de outros cristãos em todo o país se ofereceram também como voluntários.

A ação dessa união entre o corpo de Cristo, que foi liderada por leigos no assunto, trouxe alívio e conforto para dezenas de milhares de indianos que estavam enfrentando sérias dificuldades.

Em maio de 2020, durante o maior bloqueio nacional do mundo, Rahul George, um empresário de Bengaluru, foi levado a fazer algo quando viu imagens na mídia local de trabalhadores migrantes, com salário diário, voltando para suas aldeias sem nenhum meio de sustento e suporte.

“As imagens continuavam me assombrando”, disse ele ao Christian Post. “Eu estava com raiva e deprimido. Muitas vezes, olhava para as crianças pequenas que estavam acompanhando seus pais e pensava: ‘E se eu fosse um trabalhador migrante?’. Pensei nos meus filhos”, continuou.

Em 24 de março, o governo indiano anunciou um bloqueio nacional de três semanas. Essa medida acabou sendo estendida por mais duas semanas e acabou numa “tragédia humana”, pois deixou milhões de trabalhadores migrantes sem sustento.

Junto com suas famílias, os migrantes foram forçados a deixar as cidades fechadas e retornar às suas aldeias natais a pé, pois o transporte público não estava disponível. Muitos desmaiaram e morreram na estrada enquanto lutavam contra a fome e a fadiga por terem caminhado centenas de quilômetros.

Um grupo no WhatsApp

Rahul George começou a chamar seus amigos e perguntou se eles poderiam se unir para ajudar os necessitados. Como costuma acontecer na Índia, formaram um grupo no WhatsApp e, em apenas dois dias, ele cresceu para 256 membros — o máximo que um grupo pode ter nessa plataforma de mídia social.

A “rede” de ajuda cresceu, outros grupos foram formados em outras cidades e estados, através de médicos, advogados, profissionais de TI, até cristãos do exército indiano e policiais. Estrategicamente, igrejas e ONGs cristãs foram convidadas a fazer parte do movimento, mas poucas abraçaram a ideia.

Muitos recursos foram levantados, além de uma grande organização e logística, até a distribuição de alimentos para milhares de famílias de trabalhadores migrantes. Um call center também foi criado para que tudo acontecesse, já que entre os migrantes havia diversos idiomas.

“Ser Igreja”

Anita Kanaiya, chefe de uma organização sem fins lucrativos de Bengaluru, cujo escritório era usado para estocar alimentos para o esforço, disse que os voluntários começavam às 5h30 diariamente e distribuíam caixas de comida em locais onde os migrantes se reuniam, como rodovias e estações ferroviárias.

Índia

“O que estávamos tentando fazer era ‘ser a igreja’ da nossa maneira, do jeito que podemos e fazendo o necessário para atender às necessidades das pessoas”, testemunhou.

“É uma alegria poder servir a inúmeras pessoas que não conhecemos ou que talvez nunca mais iremos encontrar. Houve até pessoas que nos disseram: ‘Você é como Deus para nós; não bebemos água há três dias, enquanto estivemos na estrada’. Tivemos a oportunidade de servir essas pessoas”, disse. 

Depois da segunda onda

Embora a rede tenha se concentrado em ajudar os trabalhadores migrantes, durante a pandemia no ano passado, neste ano ela focou nas necessidades médicas, já que os casos de Covid-19 começaram a sobrecarregar o sistema de saúde da Índia, durante a segunda onda.

A preocupação agora também inclui a busca por leitos hospitalares e cilindros de oxigênio. Além disso, os voluntários formaram equipes específicas para oferecer serviços de oração e aconselhamento.

Há também grupos que distribuem refeições e mantimentos para pacientes isolados em casa. “Muitos de nós não têm formação médica e nenhuma experiência nisso, mas Deus nos ensinou e aprendemos muitas coisas”, disse Rahul. 

“Na primeira onda, poucas igrejas se apresentaram. Falamos muito sobre fé e o poder da oração, mas foram pessoas de outras religiões que mostraram sua fé ajudando os outros”, continuou.

“Na segunda onda, tivemos igrejas que se apresentaram porque muitos de seus próprios membros estavam sendo infectados e eles não podiam mais ficar em silêncio. Normalmente, a igreja é muito rápida para responder, mas acho que o Covid-19 dificultou bastante a nossa comunicação”, disse.

O amor cristão vai além da religiosidade

Rahul observou que a união de todas as pessoas envolvidas nessa rede de ajuda, de forma sacrificial, é exatamente o que mostra o “amor cristão”, que é independente da religiosidade. 

“Nós desprezamos as pessoas de outras religiões, especialmente os muçulmanos, mas aqui na Índia, Deus mostrou que eles eram os bons samaritanos quando os piedosos e religiosos olhavam para o outro lado”, apontou.

“Acho que as igrejas precisam sair mais e não apenas se preocupar com seus membros e seu próprio bem-estar, mas também com a cidade em que vivem”, disse Zippora Madhukar, líder de uma igreja independente em vários pontos, em Chennai. “Porque é aí que somos chamados para ser sal e luz, não apenas para nossas igrejas, mas bem ali onde as pessoas precisam de nós”, reforçou.

Para ele, a Love Your Neighbour mostrou que o sacerdócio de cristãos leigos, em toda a Índia, pode realizar tanto quanto a igreja institucional quando trabalham juntos com compromisso e intenção.

“Eu costumo ver as pessoas reclamando que a igreja não faz nada, mas esta é a igreja. Pode não ser a igreja organizada, mas é a igreja que Deus usou para fazer esta obra”, disse Pranitha Timothy, uma defensora dos direitos humanos em Chennai. 

Ela conta que até mesmo as pessoas idosas que não puderam ajudar no campo de ação, também apoiaram os esforços por meio de orações e assando biscoitos para os voluntários.

“Esta pandemia apenas nos deu um vislumbre do que podemos fazer. Se um grupo de 256 cristãos, completamente estranhos uns aos outros, podem causar esse impacto, fico me perguntando o que mais pode ser feito se todos nos unirmos”, refletiu.

Para os cristãos em outras nações que gostariam de servir melhor suas comunidades, durante a segunda ou a terceira onda da pandemia, Rahul aconselhou: “Junte-se a uma rede em algum lugar”. 

“Tudo o que você fizer deve ser visto como uma oferta ao Senhor Jesus. Basta fazer a sua parte e Deus se encarregará de aumentar os números, os recursos e os talentos. Quanto mais fiel você for, mais lhe será adicionado. Isso é o que vimos com nossos próprios olhos e podemos testemunhar”, concluiu.

Fonte: Guiame / Com informações Christianity Daily / Foto: Divulgação / Internet (02.07.21)

Leitura da Bíblia em sessões legislativas é aprovada por vereadores de Votorantim

A Câmara Municipal de Votorantim, no interior paulista, aprovou o Projeto de Resolução 003/21, de autoria da Mesa Diretora, para que todos os vereadores possam fazer a leitura da Bíblia no início das sessões, de forma escalonada.

Ele altera o “caput” do art. 58 e o parágrafo único do art. 75, ambos da Resolução nº 03, de 23 de março de 1994 (Regimento Interno), também foi aprovado durante a sessão desta terça-feira (29).

O texto passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 58 – Abertos os trabalhos, no início de cada Sessão Ordinária, um vereador fará a leitura de um versículo da Bíblia Sagrada […].”

A norma também deixa claro que “a leitura do versículo da Bíblia Sagrada é facultativa” e poderá ser feita “de forma alternada entre os vereadores a cada sessão, respeitando-se a ordem alfabética conforme o nome de registro de cada um”.

Um dos artigos deixa ao vereador que não estiver na sessão a possibilidade de fazer a leitura na reunião legislativa subsequente.

O projeto cria ainda o Art. 3º que passa a vigorar com a seguinte redação: “No início de cada Sessão Solene realizada pela Câmara Municipal, um vereador fará a leitura de um versículo da Bíblia Sagrada, conforme preveem os §§ 1º e 2º do art. 58 desta norma”.


Fonte: Guiame/ Com informações da Câmara Municipal de Votorantim – Foto: Reprodução / Câmara Municipal de Votorantim

16º Fórum de líderes de Missões do Nordeste foi a maior edição já realizada

16º Fórum de líderes de Missões do Nordeste, com o tema, “Missões: Modelos aplicáveis ao crescimento do Reino de Deus em nossa geração”, ocorreu na cidade de Salvador/BA, nos dias 04 e 05 de junho de 2021. Devido ao momento em que vivemos, tendo que seguir protocolos, com o objetivo de não favorecer a propagação da COVID-19, O Fórum de Missões reduziu o número de pessoas presentes nos auditórios, onde ocorreram as palestras, apresentações e discussões, abrindo inscrições on-line para possibilitar, não só a participação de irmãos em todo Nordeste, mas de todo o mundo. Milhares de irmãos participaram do Fórum através das plataformas digitais, transformando essa, na maior edição do Fórum de Missões já realizada!

Destacamos a excelente receptividade proporcionada pela Assembleia de Deus em Salvador, liderada pelos pastores Valdomiro Pereira da Silva (Presidente da CEADEB e Pastor da AD em Salvador); Edvaldo Filho (Presidente do Conselho de Missões da CEADEB e 1º vice-Presidente do Fórum de Missões); e Pr. Raimundo Campos (Secretario de Missões da AD Salvador e 2º vice-presidente do 16º Fórum de Missões do Nordeste).

As palestras e discussões falaram sobre: (1) Igreja Missional, destacando que todos os crentes são chamados para, juntos, cumprirem a grande tarefa de levar o Evangelho a todos os povos e línguas. (2) O fortalecimento do trabalho realizado pelos obreiros autóctones. Essa é a estratégia que mais favorece o crescimento do Reino de Deus em nossos dias, ao mesmo tempo em que as igrejas devem continuar enviando missionários para outras culturas; (3) A necessidade de maior empenho e investimento na evangelização da janela 4/14. As estatísticas mostram que cerca de 70% das pessoas confessam a Jesus nessa idade, mas a Igreja tem investido pouco nas pessoas dessa faixa etária e de certa forma negligenciado essa oportunidade que passa rapidamente. (4) Novas metodologias de Evangelização. É preciso mudar a abordagem que fazemos em culturas e em momentos diferentes, caso contrário, não vamos conseguir alcançar nossa geração.

16º Fórum de Missões foi enriquecido com ministrações presenciais realizadas pelo Pr. Eduardo Leandro(Secretário de Missões em João Pessoa e Presidente do Conselho de Missões da UMADENE); Pr. Carlos José (Presidente da Missão W.E.M. Brasil), Pr. Saulo Gregório(Secretário Nacional de Missoes-SENAMI), Pr. Valdomiro Pereira (Presidente da CEADEB), Missionária Suely (Coordenadora do Fórum de Missões, versão Kids). Participaram de forma On-line o Missionário Olinto Oliveira (Macau-China); Dr.. Ronaldo Rodrigues (Diretor da CPAD); Pr. José Carlos(Presidente da UMADENE).

Durante o Fórum, foi realizado o lançamento da Campanha “Nordeste Para Cristo 2021”, que acontecerá de 11 de agosto à 11 de setembro, sendo 30 dias de oração e jejum e um dia de mobilização evangelistica em todos os Estados nordestinos, onde a Igreja sairá as ruas e praças anunciando Jesus.

No encerramento do Fórum de Missões, a atual diretoria, liderada pelo Pr. Francisco de Assis foi reeleita para o Biênio 2022/2023, ficando assim constituída:

Presidente: Pr. Francisco de Assis(Ma).

1? vice-presidente: Pr. Edvaldo Filho(Bh)

2? vice-presidente: Pr. Eleazar Canavieira(AD Barreirinha/Ma).

1? Sec.: Pr. Valter Silveira(Ce)

2? Sec.: Pr. Pedro Tadeu(Pb)

Conselheiros:

Pr. Eduardo Leandro (Pb).

Pr. Francisco Ramos (Ma).

Pr. Reinero Dantas(Pi).

Foi também decidido que o 17º Fórum de Missões do Nordeste será realizado de 02 à 04 de junho de 2022 no Estado do Maranhão, na cidade de Barreirinha, capital dos lençois maranhenses.

Fonte e fotos: Senami

Policiais oram pedindo proteção a Deus durante caçada a serial killer Lázaro

Agentes que participam da força-tarefa montada para prender Lázaro Barbosa Sousa, de 32 anos, suspeito das mortes de quatro pessoas de uma mesma família em Ceilândia, no Distrito Federal, aparecem em um vídeo reunidos em oração.

Nas imagens, postadas no perfil da Polícia Militar de Goiás no Instagram, é possível ver os policiais fardados num círculo.

“Por essa missão especial, que Tu nos confiaste, de estarmos aqui numa luta do bem contra o mal, onde nós temos certeza, Senhor, que o bem sempre vai vencer”, declara um agente. Em outro trecho, ele pede que os policiais sejam “empoderados” e cita um juramento para proteger a sociedade “mesmo com o sacrifício da própria vida”.

“Ilumina, Senhor, os nossos passos. Ilumina cada policial militar, cada policial que está aqui imbuído dessa missão, Senhor, de capturar esse indivíduo, esse inimigo da sociedade, esse inimigo do bem, Senhor. (…) Dai-nos a graça, Senhor, de capturá-lo, de acabar com o sofrimento dessa sociedade. Que nós possamos trazer, Senhor, a paz de volta. Que a paz possa reinar, Senhor. Protege cada policial militar, cada policial, Senhor, com Tua mão protetora. Que o mal não se aproxime de nós, Senhor. Que o mal não venha, Senhor, nos vencer. Que o mal sucumba, Senhor, diante de nós”, diz o agente.

Ele pede ainda que “tudo aquilo que está oculto” seja revelado: “Que o Senhor possa nos mostrar onde esse indivíduo se encontra para que nós possamos encontrá-lo”. O agente pede proteção que o alto comando seja iluminado para que possa tomar as decisões corretas. O grupo encarra orando o “Pai Nosso”.

Nesta quarta-feira, a caçada a Lázaro entra no 15º dia. As equipes permanecem numa região de mata em Cocalzinho de Goiás. Duzentos e setenta policiais participam das buscas, que contam com helicópteros, drones, cães farejadores e a cavalaria.

Assista abaixo, o momento de oração dos policiais:

Fonte: Guiame/ Com informações do Extra – Imagem: Extraída do vídeo